Entidades filantrópicas comemoram bons resultados durante participação no Recanto do Pinhão 2022

Os recursos arrecadados com a comercialização de produtos durante a festa serão utilizados na manutenção das instituições e desenvolvimento dos projetos sociais ao longo do ano

O apelo social sempre foi um dos pontos altos do Recanto do Pinhão Aracy Paim, em todas as edições, e este ano não foi diferente. Um amplo espaço foi cedido pela Prefeitura de Lages, através de edital, para que as entidades filantrópicas comercializassem seus produtos e gastronomia típica, com grande movimentação de lageanos e turistas em busca das iguarias que fazem parte da cultura local.

Este início de semana pós-festa foi de recolhimento e organização dos materiais utilizados e também de comemoração pelos bons resultados obtidos durante os 17 dias de evento.

Entre os produtos mais pedidos estavam a paçoca de pinhão, campeã de vendas, e o ponche, que além de muito saboroso ainda esquentava o corpo nos dias mais frios. Nos boxes ainda se encontrava o pinhão cozido, cachorro-quente, cocada, doce de amendoim, chocolate quente, refrigerantes e outras guloseimas, com o diferencial em alguns boxes que forneciam paçoca vegana e o ponche sem álcool.

O Recanto do Pinhão contou com a participação das seguintes entidades e instituições: Asdef, Lions Copacabana, Adevips, Cáritas Diocesana, Maria Tereza, Associação Bom Samaritano, Saseadla e entidades de artesanatoe artistas culturais como a Tramatusa, Empório da Serra, Inserção Cultural, Associação Lageana de Escritores (ALE) e demais artesãos cadastrados na Fundação Cultural de Lages (FCL).

Recursos auxiliam nos projetos sociais

Após um balanço positivo, os recursos arrecadados serão utilizados nos projetos sociais desenvolvidos por cada entidade. “Esses dois anos sem a festa foram muito difíceis enquanto entidade beneficente para conseguir manter nossa ajuda às comunidades assistidas. As vendas nesta edição foram muito boas, embora os insumos tenham aumentado bastante de valor ainda deu para ter um bom saldo”, comenta AureliaFuck Pereira, coordenadora do Banco Ortopédico do Lions Clube.

Com os lucros obtidos no Recanto, o Lions auxilia com ingredientes para o preparo desopãoem alguns bairros, além da doação de cestas básicas para a população em situação de vulnerabilidade social. O clube ainda conta com o projeto Heróis Carequinhas, com a confecção de bonecos de feltro que são doados para crianças portadoras de câncer. Mulheres voluntárias do Lions ainda confeccionam enxovais para recém-nascidos e outras demandas que chegam.

No Banco Ortopédico mantido pela instituição, são fornecidas cadeiras de rodas, cadeiras de banho,andadores, muletas, bengalas e camas hospitalares para empréstimo às pessoas que os procuram. “Fazemos um contrato de comodato, sem custo algum e depois que o paciente não precisar mais, recebo em devolução e repasso a outras pessoas” explica Aurelia, que coordena o banco há quatro anos.

Algumas instituições, como a Associação dos Deficientes Visuais do Planalto Serrano (Adevips), contam com os recursos do Recanto do Pinhão para manter despesas básicas, como luz, água, aluguel, segurança, internet, tarifas bancárias, entre outras que despendem de um valor mensal.

A Adevips atende 66 educandos somente nosCentros de Atendimento Educacional Especializados em Educação Especial (Caesp), além de outros atendimentos que aproxima de cem pessoas. “É através desta arrecadação que conseguimos manter a Adevips por alguns meses do ano. Este ano a maior parte do valor arrecadado utilizaremos para fazer a documentação do nosso microônibus, que passará a rodar a partir de agosto e precisa estar devidamente emplacado e registrado no Detran. Com este recurso conseguiremos trazer para a associação um maior quantitativo de PCDs visuais, de forma segura e acessível”, comemora a presidente Elen Guedes.

Arrecadação garante manutenção das entidades durante meses

A Casa de Apoio às Pessoas com Câncer Maria Tereza ressalta que os recursos auxiliarão a manter os serviços prestados aos 90 pacientes com câncer atendidos pela instituição e que se encontram em vulnerabilidade social. “Este valor será suficiente para ajudar nas despesas durante seis meses, mantendo nossos grupos de artesanatos, rodas de conversa, sessões de Reik e demais atividades ao longo do ano. A palavra é gratidão à Prefeitura que nos cedeu o espaço e organizadores da festa, que nos motivam a continuar nosso trabalho em prol dos portadores de câncer”, afirma a assistente social da Casa Maria Tereza, Andréia Aparecida de Freitas.

A Cáritas Diocesana de Lages, também presente no Recanto do Pinhão, conta com o Plano de Construção Comunitária da Vida, o qual utiliza dos recursos arrecadados durante a festa para dar continuidade a suas atividades durante o ano. “Temos trabalhos de formação de outros grupos de entidades filantrópicas e participações em conselhos de políticas públicas”, explica o presidente da Cáritas, Domingos Pereira Rodrigues.

Mas o foco maior da instituição é o atendimento às pessoas em situação de vulnerabilidade social, com a distribuição de agasalhos e alimentação, com almoço aos domingos no calçadão da praça João Costa e assistência aos imigrantes, que tem uma fluência significativa hoje na cidade, chegando a centenas de pessoas que precisam deste tipo de ajuda. “Há pouco tempo ajudamos uma família russa que precisava de passagens de ônibus e alimentação e assim fazemos com as outras pessoas. Estamos satisfeitos com a movimentação durante a Festa do Pinhão, que nos rendeu recursos suficientes para manter nossos serviços por um bom período”, ressalta Domingos.

Texto: Aline Tives/Fotos: Ary Barbosa Filho e Toninho Vieira

Achou essa matéria interessante? Compartilhe!