morauto_export fhortec_export vivaserrajatir WhatsApp-Image-2017-08-11-at-4.36.32-PM
camaralages_export
Participe pelo nosso WhatsApp

(49) 9 9119-9209

Hora local

A semeadura de gramínea será feita ao longo dos 10 quilômetros de extensão do rio margeados pela avenida Belizário Ramos

Encostas-desassoreadas-do-Carah-recebem-plantio-de-grama-5A Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Serviços Públicos iniciou na manhã desta quinta-feira (02) o plantio de gramínea, às margens do rio Carahá, no trecho das obras de desassoreamento. Foram, inicialmente, semeados 50 quilos de semente de azevém em uma extensão aproximada de 600 metros do leito do rio já desassoreada. Este mesmo trabalho será realizado trecho por trecho, ao longo de 10 mil metros de extensão da avenida Carahá.

Encostas-desassoreadas-do-Carah-recebem-plantio-de-grama-1O secretário municipal, Euclides Mecabô (Tchá-Tchá), participou diretamente do trabalho de lançamento das sementes nas barrancas do rio. “A semente de azevém irá germinar num período de uma semana e ela é própria para este período do ano. Iremos utilizar cerca 500 quilos de sementes para a forração das margens do rio, na extensão margeada pela Avenida Carahá”, fala o secretário.Tchá-Tchá disse que, paralelo a este serviço, equipe especializada de Serviços Públicos e Meio Ambiente fará o serviço de supressão de 30 árvores já mapeadas pela Defesa Civil. “Precisamos retirar estas árvores da avenida e no lugar delas serão plantadas outras espécies vegetais, que melhor se adaptam a esta área urbana e ao solo irregular do leito do rio”, justifica.Segundo o engenheiro agrônomo e gerente da Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Giovani Tomazzeli Guesser, existem hoje cerca de 600 árvores às margens da avenida. “A manutenção dessas árvores é constante e o replantio de árvores no local será feito periodicamente, conforme a necessidade técnica de supressão das árvores com crescimento comprometido”, disse.Giovani citou algumas espécies de árvores que bem se adaptam ao solo da calha do rio: ipê, cerejeira ornamental, aroreira salsa, chorão. Quanto ao azevém, espécie de gramínea escolhida como forração das encostas desassoreadas, ele explicou: “Trata-se de semente que germina no inverno e de forma rápida, em seis dias. Desta forma, é ideal para forração inicial das encostas do rio. Em outubro, as gramíneas perenes já existentes no local irão começar a predominar como forração da calha do rio, pois o azevém irá morrer com o clima mais quente”.“O plantio das sementes de azevém deve ser feito com o solo encharcado e a chuva iniciada no final da tarde de quarta-feira veio a calhar para a concretização deste trabalho”, conclui Tchá-Tchá.

Fotos: Marcelo Pakinha